Transporte de animais

Caso você esteja planejando viajar com seu animal de estimação, verifique antecipadamente quais são as regras e documentação exigida para o transporte de animais domésticos diretamente com a companhia aérea de sua escolha e também junto ao Consulado do país de destino, pois cada país possui sua própria regulamentação para este tipo de transporte.

No Brasil, é obrigatório que o passageiro apresente o certificado de vacinação antirrábica (para animais com mais de 3 meses de idade), aplicada entre 30 dias até 1 ano antes da data do embarque. Caso a vacina esteja vencida ou não seja possível comprovar a vacinação (como acontece em campanhas públicas), é necessário reaplica-la pelo menos 30 dias antes do voo.

Além disso, cães e gatos devem ser transportados com atestado de saúde emitido no máximo 10 dias antes da data do embarque e por um médico veterinário inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária. Para a movimentação de quaisquer outros animais é exigida a Guia de Trânsito Animal (GTA) expedida por veterinário habilitado pelo MAPA ou pelo órgão responsável pela defesa sanitária nos estados. No caso de espécies silvestres, é necessário ainda comprovar que o animal foi adquirido legalmente, mediante apresentação da nota fiscal de compra emitida por criadouro ou comerciante de animais silvestres devidamente autorizados pelo órgão ambiental competente. Na ausência desse documento, deve ser apresentada a licença de transporte emitida pelo órgão ambiental competente.

O serviço de transporte de animais (exceto cão-guia) não está incluído no preço da passagem. A solicitação e a consulta de valores devem ser feitas, com antecedência, diretamente com a companhia aérea, que poderá autorizar o transporte no interior da cabine ou no porão da aeronave. Dependendo do porte ou raça, o animal deverá usar focinheira para ter acesso ao terminal do aeroporto.

Dicas para você e seu pet terem uma viagem tranquila: 

Avalie as condições do animal antes de decidir leva-lo na viagem através de uma consulta com veterinário. Por mais calmo que seja o animal ou por mais bem acomodado ele esteja durante a viagem, voar será sempre um fator de estresse.

Programe voos diretos e trajetos curtos, na medida do possível. Isso diminui a ansiedade dos animais e a chance de desidratação, um dos riscos de saúde que os animais correm durante uma viagem de avião.

Procure uma caixa de transporte adequada ao tamanho do seu animal com dimensões suficientes para que ele possa efetuar o movimento de 360° em seu interior. Ela precisa ser resistente e bem ventilada para o conforto do seu pet. Leve as especificações da companhia aérea no momento de comprar a caixa de transporte para comparar as dimensões na loja.

Inicie a adaptação do animal à caixa de transporte 15 dias antes da viagem. Torne a caixa um local familiar para ele, deixe-a sempre aberta e acessível em um local onde o animal costuma ficar. Ofereça petiscos, brinquedos e outros itens dentro dela e também ao menos uma das refeições. A medida que ele se acostumar, feche a portinha e aumente gradativamente o tempo que ele fica dentro da caixa. Uma vez acostumado, coloque o animal dentro dela em outros momentos, preferencialmente quando estiver tranquilo e procure manter-se afastado por alguns momentos para que ele também se acostume com sua ausência.

Na véspera da viagem, recomenda-se dar banho e aparar as unhas do animal. Ofereça alimentos leves no dia da viagem. A última refeição deve ocorrer 2-3 horas antes do embarque para evitar enjoos. Água pode e deve ser oferecida à vontade, inclusive no aeroporto antes do embarque.

Caso o animal vá no porão da aeronave, identifique-o e identifique também a caixa de transporte. Utilize um tapete higiênico para forrá-la.

Leve a coleira e passeie com seu pet um pouco antes do voo e incentive ele a urinar defecar. Evite embarcar com muita antecipação, a menos que o animal não se mostre tranquilo no ambiente do aeroporto.

Brinque e ofereça carinho a ele, vai ajudá-lo a relaxar.

Calmantes não são recomentados em viagens de avião pois podem provocar efeitos colaterais (sedação excessiva, relaxamento muscular, ansiedade paradoxal, excitação). Utilize somente se for expressamente recomendado pelo veterinário.

No desembarque, caso tenha viajado no compartimento de carga, o animal será retirado do avião e colocado na área de retirada das bagagens, ele não será colocado na esteira.

Fonte: Anac

Fale Conosco pelo Whats